Manifestações se espalharam pelo país após morte de George Floyd em ação policial.

Mãe e filha deixam flores em memorial dedicado a George Floyd em Minneapolis, nos EUA, neste domingo (31) John Minchillo/AP Photo Manifestantes voltaram às ruas nas principais cidades dos Estados Unidos neste domingo (31), em mais um dia de protestos contra o racismo após a morte do ex-segurança George Floyd.

Após uma noite de confrontos, alguns dos centros urbanos norte-americanos decretaram ou prolongaram toque de recolher. Nesta tarde, a maioria dos protestos ocorria de maneira pacífica.

Na capital Washington, centenas de pessoas se dirigiram à Casa Branca, sede do poder dos EUA.

De acordo com a agência Associated Press, o ato não teve confrontos até a última atualização desta reportagem. Manifestantes protestam em Washington, nos EUA, neste domingo (31) em atos contra o racismo Erin Scott/Reuters Como nos últimos dias a maior parte dos tumultos ocorreram durante à noite, cidades como Dallas, Atlanta e Milwaukee terão toque de recolher em toda a área urbana ou em parte delas.

Minneapolis, onde ocorreu a morte de Floyd e protestos tensos há quase uma semana, também continuará sob toque de recolher. Militares da Guarda Nacional também atuarão nas cidades onde houver maior tensão, a pedido de governadores.

No sábado, o presidente Donald Trump disse que as forças dos EUA estariam "de prontidão" caso precisassem intervir nos protestos. Protestos pelo mundo A onda de protestos antirracismo se espalhou pelo mundo — foram registrados atos na Europa, no Canadá e, inclusive, no Brasil.

No Rio de Janeiro, manifestantes organizaram a passeata "Vidas Negras Importam" em frente à sede do governo.

Houve tumulto. Morte de George Floyd Policial foi filmado com o joelho sobre o pescoço de George Floyd AFP/Facebook / Darnella Frazier George Floyd morreu no dia 25 de maio, depois de ser asfixiado por 8 minutos e 46 segundos pelo policial branco Derek Chauvin em Minneapolis, no estado de Minnesota.

Na sexta-feira (29), Chauvin foi detido e acusado de homicídio.

Documentos obtidos pela rede americana CNN mostram que a fiança do policial foi estabelecida em US$ 500 mil (cerca de R$ 2,7 milhões). Mulher de policial acusado de matar George Floyd pede divórcio Segundo a acusação contra Chauvin, ele manteve seu joelho sobre o pescoço de Floyd durante os 8 minutos e 46 segundos, sendo que nos últimos 2 minutos e 53 segundos o homem, negro, já estava inconsciente.

A autópsia informou, entretanto, que não houve "nenhum achado físico que apoie o diagnóstico de asfixia traumática ou estrangulamento". No entanto, o efeito conjunto de George Floyd ter sido asfixiado mais suas condições de saúde pré-existentes e a possibilidade de haver substâncias intoxicantes em seu corpo "provavelmente contribuíram para sua morte", de acordo com a acusação. 5 fatos: entenda o caso Floyd Initial plugin text